A instituição pequeno Anjo, abrigo infantil que atualmente atende 24 crianças, não possui guarda-roupas nem para elas nem para as mães sociais que estão alojadas em suas casas construídas mais recentemente.



As moradias, inauguradas em 2014, nunca possuíram armários. O custo de cada guarda-roupa seria em torno de R$ 1.200 e o núcleo precisa de pelo menos quatro, um para cada quarto infantil. O núcleo possui em seu espaço quatro casas que abrigam até 10 crianças e que ficam sob os cuidados de uma mãe social.

De acordo com a diretora da instituição, Denise Leifield, as roupas das crianças têm sido deixadas em prateleiras que foram recentemente doadas para a instituição. “O problema das prateleiras é que fica tudo aberto, pegando poeira”, relata.
O problema da poeira não esta só na sujeira. A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta para os problemas de saúde ocasionados por ela. Os ácaros existentes no pó podem causar problemas respiratórios que variam desde uma simples rinite até a causa de uma crise de asma nas crianças com maior propensão a essas doenças.

Portanto, a aquisição dos móveis, pelo menos para as crianças, é imprescindível. “Se conseguíssemos para as mães sociais também seria ótimo, mas por enquanto temos prioridade para conseguir os das crianças”, diz Denise.

As casas novas foram construídas para aumentar a capacidade do núcleo de 20 para 40 crianças. A diferença, segundo a assistente social do espaço, Keila Carneiro, é que as primeiras casas foram construídas e mobiliadas de forma mais planejada.

Nas residências mais antigas, os guarda-roupas foram adquiridos a partir de um convênio com duas empresas de móveis da cidade, que cederam a mão de obra e o material.

Para as casas novas, o Pequeno Anjo depende de doações voluntárias para mobiliar o espaço de forma mais completa. “As crianças têm tudo quando se trata de conforto”, esclarece Keila. “Mas gostaríamos, por exemplo, de um sofá maior pra elas ficarem”.

Para quem tiver interesse em fazer uma doação para o núcleo Pequeno Anjo, o contato pode ser feito através do telefone (42) 3087-0958. Os interessados também podem fazer a contribuição através de uma visita à instituição, que fica na Rua Leopoldo Guimarães da Cunha, 1533, no bairro de Oficinas.

Arquivo Comunitário
30-05-14 - Núcleo Pequeno Anjo pretende dobrar capacidade de atendimento até o final do ano