Imprimir

Depois de passar por diversos lugares, o Instituto Obesos Alerta procura novo local para sede. A maior dificuldade está em chegar a um consenso com a prefeitura em relação ao preço do imóvel a ser locado. O Instituto cobra da prefeitura uma ação, já que, de acordo com Zenilda, a obesidade é um problema de saúde pública esquecido pela administração municipal.

 

 

Durante dois anos, o Instituto Obesos Alerta ficou junto ao Pronto Socorro Municipal de Ponta Grossa, na Rua Augusto Ribas, 81. Porém, devido a uma reforma no local  promovida pela Prefeitura, a organização precisou ser realocada.

Agora, a sede dos Obesos Alerta se localiza em uma sala onde deveria ser um quarto de hospital, que fica nos fundos do Pronto Socorro. Segundo a presidente da entidade, Zenilda Ferraz, ela já entrou em contato com a prefeitura pedindo um local para que a sede possa funcionar de forma adequada.

“A dificuldade maior é achar um local adequado para atender uma entidade, dentro do preço estabelecido pela prefeitura”, esclarece.

De acordo com Zenilda, ela já se encontrou três vezes com representantes da prefeitura, que pediram para que a presidente da entidade procurasse imóveis para realocar o Instituto. Porém o valor oferecido para o pagamento do aluguel do imóvel não é suficiente.

“Para alugar um local que sustente uma instituição no centro da cidade, é preciso muito mais dinheiro do que a prefeitura está disponibilizando”, afirma.

A maior reclamação do Instituto é que a Prefeitura deveria ao menos oferecer um local, pois o trabalho realizado pelo Obesos Alerta seria de responsabilidade da administração de Ponta Grossa.

“As políticas publicas de saúde relacionadas com a obesidade são obrigação da prefeitura. A gente faz isso sem exigir deles nem um profissional e nem hospital. Será que nem ao menos um local adequado podem nos oferecer?”, questiona.

O local onde a sede está é cedido pela Prefeitura, porém o convênio vai até julho. “Se até lá não conseguirmos um local melhor, vamos ter que renovar o contrato e ficar por aqui”, fala Zenilda.

Ela reclama que a prefeitura de Ponta Grossa está tirando as condições de a entidade  trabalhar. “O espaço aqui é mínimo, como vamos receber pessoas para reuniões, se mal cabem os moveis aqui”, pergunta.

Segundo a presidente, o Instituto possui um projeto para a construção de uma sede adequada para pessoas obesas. A planta foi projetada pelo curso de engenharia da UEPG.

Para isso eles precisaram da doação de um terreno de 500 m². O espaço contaria com local para administração do Instituto e atendimento do obeso, como consultórios e locais para atividade física. “Se a prefeitura doasse o terreno, a construção nós conseguiríamos com o Ministério da Saúde”, comenta.

O coordenador administrativo da Secretaria da Saúde de Ponta Grossa, Cláudio Jorge, afirma não ter sido procurado pela presidente do Instituto e diz que, para o novo imóvel ser alugado, o Obesos Alerta deveria fazer um orçamento de algum imóvel e levar à Prefeitura para que seja feita uma avaliação.

Mediante a aprovação, seria realizado o contrato, passando pela Controladoria, que estudaria o impacto financeiro dessa locação. “Esse é o procedimento padrão para qualquer entidade que queria alugar um imóvel pela prefeitura”, observa. Ele diz ainda que a escolha das entidades beneficiadas é feita diretamente pelo prefeito do município.   

Acessos: 3171