No bairro de Olarias os moradores estão com o atendimento na Unidade de Saúde Sady Macedo Silveira prejudicado. Faltam clínicos gerais, pediatras, ginecologistas e dentistas. O pediatra responsável entrou em férias no mês de Dezembro e voltou a atender em Janeiro, mas logo em Fevereiro fez uma cirurgia e está de licença, porém nenhum substituto foi encaminhado para seguir com os atendimentos.

 Os exames necessários para as mulheres são encaminhados pela enfermeira-chefe da unidade. “Mesmo sem os especialistas, ganhamos um auxílio, ainda mais na fase do pré-natal que é importante ter um acompanhamento”, diz Bruna Farias, grávida a 3 meses.

Nem o clínico geral, Dr. Pascoal, segue trabalhando, pois aposentou-se mês passado. “É uma vergonha ter apenas um médico atendendo em um bairro tão grande como o nosso”, comenta Luiz Fernando Franco, morador de Olarias.

Aqueles que necessitam de uma consulta são encaminhados ao Pronto Socorro ou ao Centro de Atenção à Saúde (CAS) central. “Não tem outra opção, enquanto não temos médicos, é até melhor ir direto no Pronto Socorro que enfrenta uma fila só”, conta Claudia Oliveira, moradora do bairro.

Dessa forma, o problema não atinge apenas a unidade de Olarias, mas também as centrais que em uma situação normalizada, não haveria necessidade de receber estes pacientes.

A Unidade de Saúde atende das 7h ao meio dia, um horário não muito comum, já que as outras unidades atendem até às 16h. Pelo grande número de moradores, por mais que não haja reclamação do atendimento prestado pelas enfermeiras, acabam passando por filas até receber alguma orientação.