Continua abandonado no bairro Olarias o terreno da antiga Imcopa, fábrica de derivados de soja, que depois transformou-se em uma empresa de cereais, a G-13.

A programação para a Semana Santa da Páscoa já está agendada na Paróquia São Judas Tadeu. O Grupo de Jovens da igreja promove apresentações na Via Sacra e na missa do dia 31 de março.

Uma fábrica abandonada no bairro de Olarias causa transtornos para os moradores. O local, que possui mais de 24 mil m², está desativado desde 2007 e apresenta mato alto, mau cheiro, além de outros perigos para a população.


 

Após o último acidente que resultou na morte de um jovem, no dia 28 de abril em Olarias, a Autarquia Municipal de Trânsito e Transporte (AMTT) implantou o binário (veja reportagem abaixo) nas ruas Ricardo Wagner e Operários.

A partir de agora as vias possuem mão única. A Rua Ricardo Wagner segue sentido centro-bairro e a Rua Operários em sentido contrário. 

As vias estão sinalizadas, com baias de estacionamento em apenas um lado da rua. Foi também colocada uma lombada em frente à Escola Orival Carneiro Martins, na Rua Operários.

Mas os moradores ainda estão preocupados com a falta de redutores de velocidade na Rua Ricardo Wagner. Além disso, não houve nenhuma campanha da Guarda Municipal para orientar a população sobre a mudança no sentido das vias e muitos motoristas ainda trafegam na contramão.

Arquivo Comunitário:

Acidentes de trânsito mobilizam população por melhorias nas vias

Falta de sinalização pode causar acidentes em Olarias

 O exemplo de Olarias é um reflexo da falta de planejamento urbano de Ponta Grossa. O coronel Edimir de Paula, presidente da AMTT (Autarquia Municipal de Trânsito e Transporte) diz que a cidade foi projetada há 188 anos, numa época em que se andava de carroça e, por isso, não está preparada para receber 165 mil carros (frota atual do município).