Trecho de calçada na rua Souza Dantas encontra-se obstruído por galhos que caíram durante poda das árvores desde junho; Prefeitura diz já ter recolhido os destroços.

Os galhos continuam a atrapalhar os pedestres, mesmo após a prefeitura dizer já os ter retirado

Ao lado da Escola Municipal Catarina Miró, na rua Souza Dantas, galhos que caíram durante a poda das árvores, realizada em junho, atrapalham o trânsito de pedestres. Os entulhos também dificultam o embarque e desembarque de passageiros no ponto de ônibus. Segundo e-mail enviado pela assessoria de imprensa da prefeitura às três horas da tarde dessa segunda-feira (29), os galhos já haviam sido retirados. No entanto, às seis horas da tarde do mesmo dia, eles continuavam no local.

A poda dos galhos no entorno da escola foi realizada pelo município, a fim de melhorar a visibilidade de condutores de veículos e de pedestres na região e garantir a livre passagem pela área.

Segundo a moradora do bairro, Alessandra Mara, os galhos atrapalham a visualização do ponto de ônibus. “Quem é usuário do transporte público se sente incomodado. A gente tem que sair da calçada para ver se o ônibus está chegando”, relata.

Além da falta de visibilidade e impedimento do trânsito de pedestres, os restos servem de abrigo para animais que transmitem doenças e para animais venenosos. “É muito comum aparecer escorpiões e aranhas nesses entulhos, além de ratos e baratas. É um ambiente escondido e muitos insetos circulam pelos galhos”, explica a bióloga Fabiane Paulitsch.

A administração da Escola Municipal Catarina Miró afirma já ter entrado em contato três vezes com a prefeitura para pedir a remoção dos entulhos. De acordo com a prefeitura, a justificativa para a demora para a retirada é o mau tempo, que fez com que a operação fosse adiada “algumas vezes”.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar