Um dos projetos do governo municipal era implantar ciclovias nas principais vias artérias da cidade e também em praças que comportem, como forma de incentivar o uso das bicicletas como transporte alternativo.

No fim do primeiro ano da atual gestão, os ciclistas aguardam pela construção das ciclovias. “Até agora só ouvimos as promessas. Continuamos sem ciclovias, sem segurança, e sem fugir deste trânsito caótico na cidade”, diz o ciclista Nilson Caravalhaes.

O movimento Pró-Ciclovias montou uma proposta de construção de rotas de ciclovias, ciclo faixas ou calçadas compartilhadas em 96 km de extensão. Segundo o Instituto de Planejamento Urbano (Iplan), a implantação deve ser feita por fases. O Iplan anunciou que a primeira etapa começará na região central até o Jardim Paraíso.

Os projetos postos em pratica neste ano, para amenizar o congestionamento do trânsito nas duas principais avenidas da região central de Ponta Grossa, não incluem nem um tipo de benefício aos ciclistas que reivindicam pela implantação de ciclovias desde 2010, quando foi feito um abaixo assinado pela Pró Ciclovias em parceria com outros grupos de ciclistas, e enviado para a Autarquia Municipal de Trânsito de Ponta Grossa.

O pedido é que sejam construídas as vias para os ciclistas nas principais vias do centro e nas que ligam até os bairros. Isso ajudaria tanto na segurança dos ciclistas que não precisariam dividir o meio da rua com os carros, evitando assim acidentes; como também incentivaria as pessoas a usarem as bicicletas, o que poderia ser significativo na diminuição de automóveis e ajudaria a desafogar o trânsito nessas vias.

Próximo bloco: Projeto de mobilidade urbana propõe desafogar o trânsito em Ponta Grossa

Editorial: A via crúcis do usuário de ônibus