Em parceria com a Autarquia Municipal de Trânsito, membros do Pedal Noturno traçam regras para pedaladas. O bloqueio, que auxilia nos cruzamentos, e o guia, que é quem define o ritmo do pelotão, são priorizados. Aqueles que não respeitarem as regras estão fora do grupo.

 

É um ciclo: o carro respeita a moto, a moto respeita a bicicleta, a bicicleta respeita o pedestre. No dia 13 de março, Flávio Gonçalves e Danilo Estreiechen, membros do grupo Pedal Noturno, em reunião com a Autarquia Municipal de Trânsito, discutiram algumas regras para as pedaladas e também o comportamento do grupo em relação ás regras de trânsito.

Um plano de conscientização começa a valer dentro do Pedal Noturno. Regras simples como não avançar a faixa de pedestre e respeitar o farol vermelho são requisitos básicos para a permanência no grupo.

As regras não são imposições da Autarquia, conta Flávio: “Eles apenas chamaram nossa atenção quanto a seguir as regras. Então aí nós reforçamos no Pedal quais são elas e que é de extrema importância segui-las”.

Diretor do Departamento de Trânsito da Autarquia, Luciano Moreira afirma que a reunião não foi feita por conta do grande índice de acidentes, mas sim uma precaução quanto ao mesmo. “Quando se trata de vidas no trânsito, a Autarquia deve estar envolvida para auxiliar e pedir a colaboração deles para que preservem a segurança dos envolvidos direta e indiretamente com as pedaladas”.

Participar de pedaladas noturnas ou diurnas em grupo é um exercício completo, já que reúne todos esses fatores: saúde, amigos e conhecimento da cidade. Participante do Pedal Noturno, Annelize Tozetto vê um amparo aos ciclistas com as novas regras: “Asseguram, pelo menos em partes, a segurança de quem anda de bike. O melhor seria que pedestres e motoristas também estivesses cientes dos seus direitos e deveres”.