A água distribuída no bairro Ronda tem incomodado os moradores do local.Além da coloração esbranquiçada, o cheiro e o gosto são fortes e dificultam o consumo.A água distribuída no bairro Ronda tem incomodado os moradores do local.Além da coloração esbranquiçada, o cheiro e o gosto são fortes e dificultam o consumo.Casas que não possuem caixa d'água percebem mais esses problemas.

 

 

É o caso da designer Micheli Rodrigues, que mora no bairro desde outubro e convive com o problema há mais de um mês. “A água tem cheiro e gosto de mofo, fica impossível consumir assim”.

Micheli, o marido e a filha de 2 anos costumam ferver o líquido para amenizar a situação, mas a moradora afirma que o gosto permanece. “Semanas atrás tive preguiça de ferver a água e acabei jogando uma panela de feijão fora”, revela.

A designer utilizou o Facebook para expor a situação no bairro, e chamou a atenção da mídia. Em março, a Rede Paranaense de Comunicação (RPC) de Ponta Grossa fez uma matéria na Ronda sobre a qualidade da água.

Na data, Micheli fotografou um copo d'água tirado da torneira, que estava totalmente esbranquiçado. A RPC foi até a Sanepar, que comunicou a presença de microbolhas na tubulação, causadas pela pressão do líquido, o que branqueava a água, mas sem prejudicar sua qualidade.

A empresa afirmou que o líquido volta a ser incolor em questão de minutos. Entretanto, não solucionou cheiro e gosto fortes.

O cabeleireiro José Marques dos Santos, também morador da Ronda, reclama que o problema tem prejudicado seu faturamento no final do mês. “Estou tendo que comprar água mineral,  são quase R$ 20,00 a mais, fora a conta de água”, afirma.

Além disso, Santos ressalta o racionamento de água sem aviso prévio. Há cerca de 20 dias, o serviço deixou de ser prestado quase por um dia inteiro no bairro.

Próximo bloco: Sanepar diz que água está dentro dos padrões de consumo

 

 

Editorial: Pureza questionável

 

Arquivo comunitário:
29/04/2013 - Falta água... e quem tem que resolver isso não é o cidadão