Integrantes do projeto de extensão "Educação em Saúde" atendem pessoas com doenças crônicas (Foto: Gabriel Panice)

Os pacientes, que possuem alguma patologia crônica e que necessitam de medicação regularmente, recebem consultas farmacêuticas na Unidade de Saúde do Parque Tarobá, em Uvaranas. As consultas fazem parte do projeto de extensão “Educação em Saúde”, que envolve acadêmicos e professores do curso de Farmácia da UEPG, além de farmacêuticos da unidade básica.


O projeto visa oferecer auxílio e orientação sobre o uso de medicamentos, principalmente para aqueles pacientes que possuem doenças crônicas e, por isso, frequentemente precisam de acompanhamento. As patologias crônicas se caracterizam por levar um tempo maior para cura e há maior duração no uso de medicamentos pelos pacientes. As duas mais conhecidas são diabetes e hipertensão.

“A hipertensão causa a pressão alta e pode gerar infarto ou AVC. O diabetes é um transtorno metabólico causado pela elevação da glicose e pode vir a afetar as retinas, os rins e os nervos periféricos. É de extrema importância utilizar os medicamentos corretamente pelo fato de as doenças serem silenciosas”, explica a estudante de Medicina da Universidade Positivo, Virgínia Bestetti.

Segundo a professora do Departamento de Ciências Farmacêuticas da UEPG, Ana Paula Veber, a intenção das consultas farmacêuticas é otimizar o uso de medicamentos dos pacientes, verificando se os remédios receitados pelos médicos estão realmente surtindo efeito.

“Quando o médico faz todo o processo de consulta e prescrição de medicamentos, ele parte do pressuposto que o medicamento vai ter um efeito ótimo e o paciente vai conseguir usá-lo sem dificuldades. Nosso trabalho é perceber se o medicamento está surtindo o efeito adequado ou tentar descobrir porque ele não está”, esclarece.

O projeto já atua em Ponta Grossa há cerca de um ano e, atualmente, conta com nove integrantes da UEPG, três professores e seis acadêmicos, além dos profissionais farmacêuticos que atuam na unidade básica de saúde.

A farmacêutica Maria José Silva, que trabalha na Unidade de Saúde da Família Nilton Luiz de Castro no Parque Tarobá, salienta a importância da prevenção em relação ao uso de medicamentos, tendo em vista que os doentes crônicos são pacientes que mais fazem uso de remédios.

“O acompanhamento desses pacientes surge na tentativa de evitar complicações que essas patologias trazem. A prevenção pode evitar que o paciente seja internado, AVC’s, infartos, amputação de membros no caso dos diabéticos e outras complicações que essas doenças acarretam”, explica Maria.

As consultas farmacêuticas, porém, não descartam as consultas médicas. A recomendação é que seja feita uma integração entre as duas áreas e, assim, o paciente possa ter um diagnóstico correto juntamente com medicação e tratamento eficazes.

 

Salvar

Salvar

Salvar