Na última quinta-feira (16) trabalhadores da empresa Heineken votaram a favor do acordo de trabalho e banco de horas. A votação aconteceu no Sindibebidas em quatro horários diferentes depois do acordo ser exposto pelo presidente do sindicato.

 

Assuntos como assistência médica, desconto na farmácia e reajuste salarial foram debatidos durante as reuniões no Sindibebidas. Após a exposição do acordo feito com a Heineken, os trabalhadores votaram contra ou a favor da proposta. Em quatro sessões - às 8h, 13h30, 16h15 e 18h - 138 trabalhadores participaram, totalizando 106 votos a favor e 32 contra.

O piso salarial de ingresso na empresa é de R$997,50, sendo que o profissional alcança o piso regional após 180 dias de trabalho. Foram negociados também os benefícios de vale alimentação, auxílio de material escolar, plano de saúde e tolerância de atraso.

O acordo coletivo de banco de horas envolve uma compensação de horas extras mais brandas. Foram definidas 100 horas durante o ano. Já o acordo de trabalho define regras na relação de trabalho tanto da empresa quando do contratado. O definido foi um reajuste de 5% no salário, retroativo ao mês de fevereiro.

“Nós cremos que a greve traz prejuízos incalculáveis, por isso temos que esgotar a negociação com a empresa”, diz Jorge Pitela, presidente do Sindicato.

Jeferson Martini trabalha há cinco meses na Heineken e foi na sua primeira reunião: “É importante para saber o que acontece nas negociações, não adianta só o sindicato decidir, nós também precisamos comparecer.”, diz.

A empresa Heineken prefere fazer a negociação diretamente com o sindicado, dentro de um cumprimento da lei.