altApós sete meses de negociação a respeito do reajuste salarial, o Sindehtur recebe nova proposta do sindicato patronal (SHRBS). Porém, o Sindehtur ainda não decidiu se vai aceitar ou não. Além de pedir o aumento do piso, o Sindehtur quer mais benefícios sociais para os trabalhadores. Agora, o menor salário da categoria é  R$513,00 e o SHRBS propõe um piso de R$600,00.    SindTur12-11-2010.JPG

 

As negociações para definir o reajuste salarial dos trabalhadores relacionados ao Sindicato dos Empregados no Comércio Hoteleiro e Similares e em Turismo e Hospitalidade de Ponta Grossa  (Sindehtur) vem sendo feitas desde o mês de maio. No dia 9 de novembro, o Sindicato dos Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares (SHRBS) realizou uma reunião com a sua diretoria para definir o valor a ser oferecido ao sindicato dos trabalhadores.


Depois da discussão entre os membros da diretoria, o SHRBS chegou ao consenso de oferecer R$600,00 como piso. Para chegar a esse valor, o sindicato usou como base o estabelecido na negociação entre os sindicatos de Curitiba, que concordaram com R$610. Assim, o salário atual, que é de R$513,00, teria reajuste de aproximadamente 11,11%.


Presidente do SHRBS, Antônio Mikulis, conta que o primeiro valor indicado pelo Sindehtur foi de R$745,00, sendo que agora o salário é de R$513,00. “Não adianta o sindicato pedir por algo inviável de ser concedido nesse momento”, explica Mikulis. Além do acréscimo no piso, o Sindehtur também pede um reajuste de 10% nos salários que já estão acima do piso. Em contrapartida, o SHRBS oferece o aumento de 7%.


Além disso, o Diretor Financeiro do SHRBS, Leodgar Correia, explica que a entidade patronal tende a não mudar as cláusulas dos benefícios sociais. Com relação à negociação atual, o Sindehtur também pediu por 10% de reajuste nos salários acima do piso, multa de 2% no atraso do pagamento do salário, aumento no adicional de horas extras e de trabalho noturno, um domingo a mais de folga, maior desconto no transporte, mais dias de ausência legal por doença, entre outros benefícios. “O último benefício que concedemos foi o apoio funerário”, relembra Correia.


Para pensar no reajuste salarial, o sindicato patronal explica que leva em consideração o salário mínimo brasileiro. Embora o mínimo no Paraná seja R$ 663,00, o empresário pode tomar como base o nacional, que é de R$510,00, ou seja, R$3,00 abaixo daquilo que é pago atualmente como piso para as categorias do Sindehtur. Por conta disso, o presidente do Sindehtur, José Guimarães, explica que não pode ceder por um aumento que beira aquilo já estabelecido como o mínimo brasileiro. A proposta do sindicato patronal ainda será avaliada pelos trabalhadores.