Neste mês foi realizado um concurso para várias funções da Autarquia, incluindo agentes de trânsito. Os selecionados para esta função, primeiramente entram como funcionários do Estar, para somente depois serem realocados de função, podendo ou não ir para a fiscalização.


A agente de trânsito Karine conta que se inscreveu para o concurso de 2008, porém só começou a trabalhar efetivamente em 2011. “São poucos agentes para o setor em que estamos e alguns funcionários que passaram em outros concursos ou saíram por motivos particulares.

Além disso, a contratação é demorada”, conta.
Para a função de agente de trânsito foram abertas 80 vagas, o que segundo Karine, pode ser um problema na hora das reuniões entre os agentes. “Onde será colocada essa gente não se sabe, pois a estrutura é pequena, o banheiro é pequeno, quando reunirmos todos os agentes no local de trabalho acaba sendo muita gente”, afirma Karine.

Por outro lado, no horário de trabalho dos agentes, será mais eficiente a fiscalização do Estar. Solange de Andrade conta que atualmente existem 3.820 vagas em 384 quadras e são necessárias cerca de mil vagas em regiões como a Avenida Paula Xavier, a região da UEPG, no Centro e em Oficinas.

Com o aumento do número de veículos na cidade, foi ampliado o número de quadras cobertas pelo Estar. Luciano de Mello, diretor da AMTT fala que esse crescimento influencia diretamente no trabalho dos agentes. “As dificuldades realmente crescem com o aumento de veículos, por isso estamos aumentando o efetivo e buscando novos equipamentos”, diz.

A agente Karine concorda com Luciano, e acredita que o aumento de agentes melhorará a eficiência do trabalho. “Quando é poucos trechos designados para um agente, o trabalho é eficiente, mas aí alguns lugares ficam descobertos pelos poucos agentes trabalhando”, garante.