Servidores da saúde discutem proposta de alteração da jornada de trabalho em assembleia promovida pelo SindServ.

       Em assembleia realizada na última quarta-feira (24), o Sindicato dos Servidores Municipais de Ponta Grossa (SindServ) apresentou estudos e propostas para a redução da jornada de trabalho de 40 para 30 horas semanais para os servidores da saúde. A luta por esse ajuste acontece em âmbito nacional através dos sindicatos.


A líder sindical da área da saúde, Ana Paula Tozzeto, afirma que o SindServ irá basear sua proposta a ser apresentada à Secretaria Municipal de Saúde em projeto de lei ajustado pelo plenário nacional. O Projeto de Lei 2295/2000 dispõe sobre a jornada de trabalho de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, fixando seis horas diárias e 30 semanais.

Como principal benefício trazido através da redução na jornada, Ana Paula aponta a diminuição do desgaste físico e mental. Segundo ela, há um desgaste excessivo para profissionais que trabalham diretamente com o paciente e que também auxiliam a família durante o tratamento.  

     A assembleia com os servidores apresentou o estudo realizado pelo Sindicato tendo como base cidades que já aprovaram as 30 horas semanais. Além disso, foram discutidas situações particulares das unidades de saúde e propostas que serão levadas à Secretaria de Saúde. 

     Na abertura da reunião, o presidente do Sindicato, Leovanir Martins, reforçou a importância da participação dos servidores na luta. ‘’Sindicato não é feito só com os líderes sindicais. Quando entramos em uma luta, ela é composta por todo um grupo de trabalhadores’’, apontou. 

     Para a servidora Elaine Pontarolo, que atua como enfermeira, é importante que exista uma mobilização maior da classe. ‘’É preciso divulgação e a conscientização de cada servidor de que o benefício é para todos, não só pra quem está participando das assembleias ou da comissão’’, completa.  

     Uma reunião com a Secretaria de Saúde já está agendada para a próxima quarta-feira (31) às 16 horas. Na conversa estarão presente os líderes sindicais e a comissão formada para a discussão da jornada de 30 horas.

O próximo passo da reinvindicação é levar o que foi decidido, em assembleia, para a Secretaria Municipal de Saúde.