Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) reuniram-se em assembleia nas dependências do Sinduepg, no último dia 14. A reunião ocorreu para definir as atividades que acontecem para relembrar um ano após o 29 de abril (Foto: Bruna Camargo)

Nessa data, em que estavam em greve pela segunda vez, os professores da rede pública manifestavam em frente à Assembleia Legislativa do Paraná. O protesto era contra o projeto que previa a alteração no ParanáPrevidência. Sob a justificativa de garantir a segurança, o Governo do Paraná reuniu mais de 5 mil policiais, o que resultou em mais de 330 feridos.

A diretoria do Sinduepg reiterou que a data do 29 de abril precisa ser  lembrada como um dia de luto e luta para todos. Por isso a importância de realizar ações na cidade e entender que a truculência policial em que o governador do Paraná se amparou não é um ato isolado. Mas sim decorrente de outros acontecimentos, como o sucateamento da educação pública e o desrespeito com os servidores.

A definição das atividades foi pensada também para que os novos alunos entendam sobre como o dia 29 de abril marcou a educação. Além disso, os professores pensaram em meios para garantir que a paralisação na UEPG, aconteça de fato. “A paralisação não está dada, precisa ser construída. Precisamos de uma agenda para demonstrar organicidade”, explicou o presidente do sindicato, Marcelo Bronosky.

A professora da rede pública estadual e da UEPG, Michele Telles, destacou a  importância realização dos atos para a sociedade. “É fundamental, primeiro para a gente refletir dentro das respectivas categorias, mas também com a comunidade, não deixar passar em branco. E pensar que esses ataques não terminaram, na verdade continua-se vivenciando ataques do Estado autoritário, contra os trabalhadores de modo geral”.

Confira abaixo a programação para o dia 29 de abril:

Arquivo comunitário:

30/05/15:  Estudantes promovem manifestação em apoio aos professores e defesa da educação pública

29/07/15:  Lançamento de documentário registra três meses do "Massacre 29 de abril" no Paraná