O Portal Comunitário é uma iniciativa conjunta de professores e alunos do curso de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e setores populares organizados do município de Ponta Grossa (associações de moradores, sindicatos de trabalhadores, movimentos sociais, organizações não-governamentais e outras entidades da sociedade civil).

Como um serviço de informação e comunicação feito não para a comunidade, mas com a comunidade, o Portal Comunitário de Ponta Grossa tem a sua linha editorial estruturada sobre três pilares fundamentais: a comunicação comunitária, o jornalismo popular e o jornalismo alternativo.

Do jornalismo popular traz o pressuposto de que a organização e mobilização dos chamados setores populares constitui o fator mais importante de mudança social – mudança que se dá somente a partir da luta contra as desigualdades e injustiças sociais, os preconceitos e discriminações, a pobreza, a exclusão. Com isso, tem o objetivo de dar visibilidade à visão de mundo e aos posicionamentos das organizações populares, às suas propostas, idéias, reivindicações e denúncias, visando à construção de poderes contra-hegemônicos.

Assim como a comunicação popular, o Portal Comunitário é produzido em parceria com as camadas menos privilegiadas da população, de onde consegue apoio direto para sustentação da proposta. Por isso, preza a simplicidade, em busca da leiturabilidade, aliando textos escritos com formas orais e audiovisuais.

Com base na experiência do jornalismo alternativo, o Portal Comunitário procura guiar-se pelo valor de uso (social) da notícia, não pelo valor de troca. Não compromete a sua linha editorial em acordos com governos e grupos econômicos ou políticos, buscando sempre a autonomia.

Aproxima-se do jornalismo alternativo também no seu caráter educativo, ao apresentar à sociedade uma proposta editorial que, diferentemente da grande mídia, visa exclusivamente a atender as necessidades e interesses da maioria da população, podendo servir como elemento de comparação. Traz do alternativo ainda a proposta de tratar de assuntos esquecidos ou propositalmente omitidos pela grande imprensa. Além disso, busca não criar estereótipos, nem promover o preconceito e a discriminação, tomando todos os cuidados com o uso e o significado das palavras e expressões.

Com o propósito de fazer comunicação comunitária, o Portal assume a compreensão de que a comunidade não é qualquer grupo de interesse. É o sentido de pertencimento, a solidariedade, a colocação dos interesses coletivos acima dos individuais e os objetivos comuns, entre outros aspectos, que criam e mantêm a comunidade. Assim, entende que a comunidade está sempre em construção e se coloca como instrumento nesse processo.

Tomando para si as características do jornalismo comunitário, o Portal funciona como prestação de serviços à comunidade: trazendo informações úteis no dia a dia da população – seja para a vida cotidiana, seja para a mobilização em defesa dos direitos; fazendo a comunicação dos grupos, comunidades e entidades com a sociedade em geral; contribuindo na comunicação das lideranças com a comunidade, na divulgação de propostas e idéias visando à sensibilização para a luta; tornando públicas algumas situações específicas dentro da comunidade que precisam da atenção de todos; e ajudando na comunicação de cada comunidade ou entidade com as demais.

Nesse sentido, o Portal Comunitário não tem como objetivo substituir os meios de comunicação de massa, não visando a ter o alcance e o imediatismo que eles têm. Complementa a grande imprensa, cumprindo a tarefa de fazer a comunicação próxima do cotidiano, das necessidades e interesses das comunidades e grupos aos quais pertence.

Na condição de comunicação comunitária, o Portal trabalha com os princípios da comunicação horizontal, reconhecendo o direito de todos terem acesso às mensagens. Além da veiculação na internet, incentiva a colocação de cópias impressas de seu conteúdo em locais de grande circulação de pessoas. Trabalhando na perspectiva da igualdade entre emissor e receptor, experimenta formas de construir essa nova relação. Isso se dá com a aproximação do jornalismo popular/comunitário com o jornalismo colaborativo, com a criação de espaços de intervenção abertos a todos os usuários, como os mecanismos de: “enviar notícia”, “e-mail”, “fórum”, comentários no editorial e em notícias, enquetes e pesquisas.

Tendo o objetivo de ir além da denúncia, o Portal Comunitário se propõe a dar vez e voz às organizações que lutam pelas soluções dos problemas, em vez de tomar o lugar delas. Ou seja, visa mais a promover a organização e autonomia dos cidadãos nas suas lutas do que simplesmente mostrar serviço aos leitores/consumidores.

Em resumo, partindo de alguns valores e princípios já construídos pela comunicação comunitária, alternativa e popular, o Portal Comunitário se propõe a: ir além das aparências, instigando a reflexão e o debate sobre as causas dos problemas; dialogar e promover o diálogo; contribuir para o aumento da solidariedade nos bairros, categorias profissionais e comunidades rurais; e atuar no sentido de fortalecer a participação popular, os movimentos sociais e organizações da sociedade civil em geral.


Observação
O texto acima traz uma alteração do documento original de "Linha editorial", publicado em 25 de agosto de 2008, onde o trecho
"Aproxima-se do jornalismo alternativo também no seu caráter educativo, ao criticar na grande mídia os elementos que contrariam os direitos ou não atendem as necessidades e interesses da maioria da população" foi substituído pela seguinte redação:

" Aproxima-se do jornalismo alternativo também no seu caráter educativo, ao apresentar à sociedade uma proposta editorial que, diferentemente da grande mídia, visa exclusivamente a atender as necessidades e interesses da maioria da população, podendo servir como elemento de comparação".

A mudança atende a uma crítica da ombudsman Karina Janz Woitowicz, em que aponta o fato de o site não fazer crítica de mídia, nem ser esta uma característica do projeto.

Ponta Grossa, 29 de outubro de 2008.
Maria Lúcia Becker
Pela Coordenação