Prefeitura, Secal e Instituto Sorriso Negro promovem eventos para marcar o dia da Consciência Negra na cidade. Apesar de não ter feriado no município, a luta contra o racismo e a divulgação da cultura africana entram em pauta durante a semana. São palestras, oficinas e exposições sobre diversos temas. A UEPG não deve realizar eventos nessa data.

 

O Dia da Consciência Negra não é feriado em Ponta Grossa, o que dificulta a lembrança da importância do tema pela população. Alguns eventos são realizados para discutir o tema, falar sobre racismo, políticas públicas e cultura.

A Prefeitura Municipal promove algumas das atividades, principalmente a partir da Secretaria da Educação. A Faculdade Secal promove a II Semana da Afro-Consciência – História e Arte. Na UEPG, não estão programados eventos para marcar a data.

 

O evento da Secal conta com palestras e oficinas relacionadas ao tema, discutindo políticas públicas, cotas, racismo e cultura afro. As atividades são realizadas em diversos locais: nos campi, no auditório SescPG e no auditório da OAB-PG. As inscrições são feitas pela internet gratuitamente, mas condicionadas à entrega de um produto específico a ser doado durante a campanha de natal da faculdade.

 

 

O coordenador do curso de Jornalismo da Secal, Helton Costa, é afrodescendente e ressalta a importância de eventos como esse no município. “É uma questão latente no Brasil e o papel das universidades é debater o assunto”, afirma.

 

 

Helton é descendente de um escravo paraguaio, e faz parte da segunda geração da família que conseguiu chegar à universidade, por meio do PROUNI. Ele acredita que as políticas de inclusão são muito importantes para o acesso dos negros à educação.

 

 

O presidente do Instituto Sorriso Negro dos Campos Gerais, José Luiz Teixeira, vai ministrar palestra sobre racismo e discriminação durante a II Semana de Afro-Consciência. Para ele, as políticas públicas do município não atendem todas as necessidades da população negra. “Algumas cidades têm uma secretaria do negro, mas aqui é difícil ter alguma ação concreta”, enfatiza.

 

 

A reportagem do Portal Comunitário constatou a falta de divulgação dos eventos da Prefeitura Municipal de PG na internet. Durante os dias 18 e 19, acontece uma exposição de trabalhos de arte relacionados à cultura africana feitos por alunos da rede municipal, e oficinas com os professores.

 

“Esse trabalho é realizado para diminuir o preconceito. Não adianta ser só na lei, é preciso ter prática”, diz Liana Eidam, coordenadora de Educação Infantil na Secretaria da Educação. Na sexta-feira, 21/11, os professores devem se reunir no Grande Auditório da UEPG (no Campus Central) para trocar suas experiências.