O Sindicato dos Trabalhadores Rurais confirmou sua entrada na rede Ecovida de certificação participativa. A rede mundial visa a fiscalizar as características agroecológicas das propriedades cadastradas, emitindo um selo de qualidade.

 O selo garante o cuidado com a água e a ausência de agrotóxicos. A anuidade é de 144 reais e os benefícios são de 30% a mais nas vendas para a Conab.

Com a entrada na Ecovida, Antônio Stufka, presidente do sindicato, tenta incentivar a produção agroecológica. “Nós que fazemos dessa forma somos tidos como burros, por conta da agricultura orgânica ser mais lucrativa”.

Stufka explica o porquê de não terem entrado antes na rede. “Eu não tinha tempo para ser o diretor. Com o surgimento de pessoas preparadas para isso, agora, podemos nos associar”. A fiscalização se dá por meio de reuniões mensais em cada propriedade, além de bimestrais no núcleo regional.