No centro de PG manifestantes fazem oração em memória das vítimas de acidente provocado por usuário de álcool

Familiares das vítimas de acidente na BR-376 realizaram ato público, na terça-feira (12), na Avenida Vicente Machado, centro de PG.


Uma pública ‘Manifestação contra álcool e direção’. Este foi o tema do evento realizado na manhã da terça-feira, 12/08. A concentração ocorreu na praça Barão de Guaraúna, seguiu pela Avenida Vicente Machado e terminou em frente ao Fórum Estadual, bairro de Oficinas. O evento foi organizado pela família das vítimas do acidente registrado no último dia 3 de agosto, que envolveu um caminhão e um carro, provocando a morte de cinco pessoas da mesma família.

A manifestação começou por volta da 9h30 da manhã e contou com o apoio da Autarquia Municipal de Transito e Transporte (AMTT), que fechou a avenida para o evento.

Dentre os manifestante haviam parentes das vítimas, amigos e outras pessoas que, solidárias, se identificaram com a causa. Este é a situação do casal Renilda e Carlos Machado, que também perdeu o filho em um acidente de transito, envolvendo álcool. “É um alerta para todos os motoristas que bebem, para não infringirem estas normas”, ressalta o pai.

A passeata em memória das vítimas também objetivou conscientizar a população dos perigos de beber e dirigir. Maria Eduarda da Rosa, de 12 anos, que estudava com uma das vítimas reforça o apelo: “que as pessoas dirijam com cuidado e quando bebam peçam para outra pessoa dirigir”.

Na manifestação, os participantes gritavam por justiça no processo contra o caminhoneiro, Rafael Conrado (29), que dirigia embriagado no momento do acidente. A expectativa dos participantes é que o acusado responda ao processo em regime fechado e que vá a júri popular. Conrado deve responder pelo crime de homicídio qualificado, onde a pena varia de 12 a 30 anos, além de possíveis acréscimos na pena por infringir a Lei Seca e não prestar socorro às vítimas.

O advogado da família das vítimas, Valdir Iensen, acredita que a melhor forma de julgamento para o crime é a forma de júri popular. “É um crime que abalou a sociedade. Por isso, acreditamos que ele vai ser condenado”, defende.

{youtube}A23knN3x6do{/youtube}

 

O acidente

Por volta das 10h30 da noite de domingo (03) os avós Maria (52) e Leonidas Machado (58) estavam com a filha Clayre Machado (31) e os netos Eduardo Madureira (6) e Gabriele Sheifer (12) no carro, na Av. Presidente Kennedy, a Rodovia do Café, e voltavam da comemoração do aniversário da menina Gabriele, que faria 13 anos naquela semana, quando ocorreu o acidente.

O caminhoneiro Rafael Conrado, que seguia sentido Curitiba e dirigia com 0,44mg/L de álcool no sangue, bateu na traseira de outro caminhão, atravessou o canteiro central, bateu de frente com outro caminhão e atingiu o carro da família, provocando a morte de toda família que estava no carro.

O motorista não prestou socorro às vitimas e fugiu do local, mais tarde foi encontrado no Pronto Socorro Municipal pela Polícia Rodoviária Federal onde fez o teste do bafômetro e foi levado para o Presídio Hildebrando de Souza, onde se encontra preso esperando o julgamento.