Até o final deste ano, a Unidev precisa deixar a casa que até o momento vem usando para atender deficientes visuais e físicos. Sem novo local para transferir a sede, os assistidos deverão ficar sem os encontros, reuniões e mesmo as atividades que são desenvolvidas no local.

A atual sede não é adequada, já que tem pouco espaço e não é totalmente adaptada. Cerca de 28 deficientes visuais se reúnem regularmente na casa e desenvolviam várias atividades que vão desde entretenimento a profissionalização. O presidente da entidade José Souza afirma: “Desenvolvemos várias atividades para pagar os custos da entidade, como luz, agua, a comida que temos aqui e os materiais como cartazes, fotografias e alguns reparos” as atividades que pagam estes custos, artesanato e massoterapia, embora não sejam grandes até o momento sempre foram suficientes.


O aluguel da casa de R$1.700 sempre foi pago pela prefeitura, mas o contrato venceu e o presidente da entidade ainda está procurando outros locais que podem servir de abrigo, mas segundo ele nenhum imóvel visitado até agora está dentro dos padrões de gastos da prefeitura. “Ainda estamos procurando, mas não há um lugar adaptado disponível por um preço acessível” diz Souza.


A prefeitura pretende transferir o local das atividades “Querem que a gente desenvolva as atividades nos ginásios, a dança, o basquete e também o teatro. O artesanato não sei, porque quase não precisa de espaço. Mas eu acho que a entidade deveria oferecer o espaço para acolher seus frequentadores e desenvolver as atividades” diz o jogador de basquete sobre rodas, Carlos Ferreira.

O que os representantes da entidade estão fazendo agora é procurar um espaço onde possam construir a própria sede, que tenha um salão para as festas, os ensaios de teatros e dança, salas de tamanhos razuavéis para circulação de cadeiras e adaptadas para todas as deficiências, com rampas e banheiros adaptados.

Arquivo Comunitária: Prefeitura está melhor preparada que o Estado