Ação beneficia mensalmente cerca de seis vigilantes associados, entre desempregados e aposentados. Cestas-básicas, cadeiras de descanso, utensílios domésticos e auxílio-doença aparecem na lista de itens oferecidos pelo sindicato.

 

Em meio a lutas e reivindicações, o Sindicato dos Vigilantes também realiza ações sociais para os associados. Segundo o presidente da instituição, José Nilson Ribeiro, o trabalho social, além de ajudar a quem precisa, é uma forma de atrair a participação de aposentados. “Muitas vezes os companheiros vigilantes que já se aposentaram acabam se distanciando do sindicato por acharem que a gente não tem mais como ajudá-los”, conta.

O trabalho, que existe há cerca de cinco anos, beneficia, em média, de cinco a seis pessoas por mês. De acordo com o secretário geral, Edson Luiz Ribeiro Ramos, para receber a ajuda do Sindicato o vigilante precisa se cadastrar na sede da instituição e comprovar que está desempregado ou aposentado. “Após o cadastro, membros do Sindicato vão até a casa do vigilante para comprovar a situação. Caso não ocorra nada de errado, o associado já começa a receber a ajuda”, explica.

 

Beneficiados e benefícios

O vigilante Dimas Brás precisou pedir o auxílio-doença da empresa onde trabalha, ou seja, recebeu salário durante 15 dias que faltou ao emprego, devido a enfermidades. Como não se recuperou a tempo, precisou da ajuda do sindicato para manter a família, que o auxiliou com cestas básicas durante o período que continuou doente.

Já o aposentado Paulo Correia foi até o Sindicato dos Vigilantes porque precisava de uma cadeira de descanso, devido a problemas de saúde, e foi prontamente atendido. O presidente conta que é comum a instituição ajudar com móveis e coisas do tipo. “A gente ajuda com tudo que pode e tudo que está ao nosso alcance. O associado sempre está ao nosso lado, e nas horas de necessidades precisamos retribuir esse apoio”, ressalta José Nilson.

 

Arquivo comunitário: As lutas e conquistas dos 26 anos do Sindicato dos Vigilantes